Quem sou eu

Pesquisar este blog

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Poesia de Quinta

Pessoal
O texto de hoje, acho que não é bem assim, uma poesia, originalmente. Mas é uma reflexão tão linda, que vou colocar como se fosse.
Está na última página do lindíssimo e agradável livro de Eduardo Galeano, "O livro dos abraços", que eu terminei de ler recentemente. Recomendo com louvor este livro a todos, pois é leve, agradável e extremamente reflexivo.
Ofereço o Poesia de Quinta de hoje ao meu querido amigo Kelnner, lá de Fortaleza. Este trecho de Galeano me lembrou muito ele.
Beijos
Deíla

A VENTANIA
Eduardo Galeano

Assovia o vento dentro de mim.
Estou despido.
Dono de nada, dono de ninguém,
nem mesmo dono de minhas certezas,
sou minha cara contra o vento,
a contravento,
e sou o vento que bate em minha cara.

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Poesia de Quinta

por: Deíla Maia


Pessoal,
Recentemente, ganhei de presente a obra completa de uma das minhas poetisas prediletas, Cecília Meireles... Então, não poderia deixar de compartilhar com vocês tão precioso e delicado regalo. Cecília Meireles era uma mulher batalhadora. Órfã de pai antes mesmo de nascer e também sem a mãe pouco tempo depois, a perda e a orfandade são elementos significativos na vida desta autora. Criada pela avó e com intensa relação com a efemeridade da vida, a sua poesia é lírica e extremamente reflexiva. Ofereço à Poesia de Quinta de hoje a uma das mais assíduas e argutas comentadoras deste despretensioso espaço de debate poético, sendo que esta poesia "Noções" me lembrou muito desta pessoa e de suas reflexões filosóficas sobre a vida e o viver. Para Fernanda Thomé, com carinho.
Beijos
Deíla


PS: Esqueci que ontem era 5ª feira!!!! A poesia já estava até pronta, mas eu esqueci de enviar. Desculpem!!!! :)


NOÇÕES
Cecília Meireles


Entre mim e mim, há vastidões bastantes
para a navegação dos meus desejos afligidos.


Descem pela água minhas naves revestidas de espelhos.
Cada lâmina arrisca um olhar, e investiga o elemento quea atinge.


Mas, nesta aventura do sonho exposto à correnteza,
só recolho o gosto infinito das respostas que não se encontram.


Virei-me sobre a minha própria existência, e contemplei-a
Minha virtude era esta errância por mares contraditórios,e este abandono para além da felicidade e da beleza.


Ó meu Deus, isto é a minha alma:
qualquer coisa que flutua sobre este corpo efêmero eprecário,
como o vento largo do oceano sobre a areia passiva einúmera...


PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Projeto de Iluminação elétrica da ASDECON


Divulgamos para todos os associados tomarem conhecimento do projeto de iluminação elétrica da ASDECON que está sendo executado atualmente na sede campestre da associação, em Benfica, como se segue:

Planta Elétrica















Relação de material e Responsável Técnico












Análise de Projeto Elétrico CELPA














Memorial Descritivo Elétrico

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

CANCELAMENTO da TAXA TELEFÔNICA

Será votado em MARÇO o Projeto de Lei n.º 5476, de 2001, para o CANCELAMENTO da TAXA TELEFÔNICA de R$ 40,37 (residencial) e R$ 56,08 (comercial).
1) Ligue 0800-619619 (de segunda à sexta-feira das 08 às 20h00) ;
2) Ouça o menu;
3) Aperte 1 e espere a opção eletrônica;
4) Digite 1 novamente, que é para votar a favor do cancelamento da taxa de telefone fixo.

Quando se trata do interesse da população, quase nada é divulgado. Esse tipo de assunto NÃO costuma ser veiculado na TV ou no rádio. Então, nós é que temos de correr atrás, afinal quem paga a conta somos nós!
Dê também o seu apoio a este excelente projeto de Lei. Vamos lá pessoal, é simples e funciona mesmo!
Passe para frente e envie esta mensagem para o maior número possível pois entrando em vigor esta lei, você pagará apenas pelas ligações efetuadas, acabando com esse roubo que é a assinatura mensal.
Este projeto está tramitando na 'COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR', na Câmara Federal. Quanto mais pessoas ligarem, maior será a chance de aprovação.
Não adianta a gente ficar apenas reclamando. Quando podemos, podemos e devemos tomar alguma atitude.

O BRASIL AGRADECE!

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

Poesia de Quinta

"Invictus” é o nome do filme de Clint Eastwood sobre Nelson Mandela
http://avidaeumpalco.com/?p=6710

Pessoal,
A Poesia de Quinta de hoje me foi enviada por um querido amigo e é declamada algumas vezes no belíssimo filme "Invictus", que fala um pouco de como foi o trabalho do Nélson Mandela na reconstrução da África do Sul, no pós-apartheid. Um filme muito bonito e bem feito, que aborda de forma magnânima a questão do PERDÃO e da força interior (disciplina, autoconhecimento, superação de limites).
Para quem quiser aproveitar a folguinha do carnaval, para curtir um bom filme, eu recomendo. A atuação do Morgan Freeman, no papel do Mandela, está maravilhosa, como sempre.
O autor da poesia é o inglês William Ernest Henley, que viveu na Inglaterra na segunda metade do século XIX. A poesia foi publicada no livro "Pequena Coletânea de Poesias de Língua Inglesa".
Este autor teve uma história de vida muito triste, que nos ajuda a entender o contexto da poesia e como o Mandela a utilizava para ganhar força nos 27 anos que passou dentro de uma minúscula cela da prisão.
O poeta William nasceu em 1849, em uma família muito pobre, não tendo concluído seus estudos do colégio, por questões financeiras e de saúde. Aos doze anos de idade teve o diagnóstico de artrite decorrente do bacilo da tuberculose. Com apenas dezesseis anos, teve a perna esquerda amputada abaixo do joelho. Em 1867, perdeu seu pai, tornando-se arrimo de sua mãe viúva e de seus irmãos. Em 1869 mudou-se para Londres onde conseguiu emprego como jornalista autônomo. Em 1872 sua doença o compeliu a viajar em tratamento para Edimburgo, Escócia, onde escreveu a coleção de poemas In Hospital e se apaixonou por Anna Boyle, com quem viria a se casar. Em 1875 tornou-se amigo íntimo de Robert Louis Stevenson que fora levado ao hospital para lhe conhecer. Nesse mesmo ano teve alta e retornou a Londres, onde se tornou editor da revista London. Em 1878 casou-se com Anna Boyle com quem teve sua única filha, Margaret, em 1888, que faleceu de meningite apenas 5 anos depois. Morreu em 1903 de tuberculose.
A propósito, hoje, dia 11 de fevereiro, faz exatamente 20 ANOS que o Mandela saiu da prisão e ele até fará uma visita hoje ao antigo presídio, mesmo estando já com a saúde bastante prejudicada, aos 91 anos de idade.
Ofereço a Poesia de Quinta de hoje ao meu querido amigo Ferdinando e sua esposa Denira, por acreditarem que a força interior pode, realmente, remover montanhas, superar qualquer obstáculo.
Realmente, adorei o último verso: "I´m the captain of my soul" e diria mais: "I´m the captain of my life". Isto é maravilhoso!!!!!!
A tradução da poesia para o português está logo abaixo da poesia original em inglês.
Beijos e um bom carnaval a todos
Deíla

INVICTUS
William Ernest Henley
Out of the night that covers me,
Black as the pit from pole to pole,
I thank whatever gods may be
For my unconquerable soul.
In the fell clutch of circumstance
I have not winced nor cried aloud.
Under the bludgeonings of chance
My head is bloody, but unbowed.
Beyond this place of wrath and tears
Looms but the Horror of the shade,
And yet the menace of the years
Finds and shall find me unafraid.
It matters not how strait the gate,
How charged with punishments the scroll,
I am the master of my fate:
I am the captain of my soul.

Invictus
Tradução:
Invictus (do latim, invencível, invicto, que nunca perdeu)
Do fundo desta noite que persiste A me envolver em breu - eterno e espesso,
A qualquer deus - se algum acaso existe,
Por mi’alma insubjugável agradeço.
Nas garras do destino e seus estragos,
Sob os golpes que o acaso atira e acerta,
Nunca me lamentei - e ainda trago
Minha cabeça - embora em sangue - ereta.
Além deste oceano de lamúria,
Somente o Horror das trevas se divisa; Porém o tempo, a consumir-se em fúria,
Não me amedronta, nem me martiriza. Por ser estreita a senda - eu não declino,
Nem por pesada a mão que o mundo espalma;
Eu sou dono e senhor de meu destino;
Eu sou o comandante de minha alma.

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

domingo, 7 de fevereiro de 2010



















“Sou um sujeito que desde criança quis ser padre; e muito pobre, tentei ir para o seminário, mas não fui aceito. Então fui trabalhar até conseguir ter roupas suficientes, fazer meu enxoval. Fui para o seminário com 21 anos. Tinha namorada, fui noivo, e descobri a Congregação Coração de Jesus, que é o que eu tento viver: Quero ser um homem do Coração de Jesus. Vivo no meio de jovens drogados, prostituídos, aidéticos. Tento ser um deles e eles me ensinam muito.”

BIOGRAFIA
http://www.cancaonova.com/portal/canais/especial/padreleo/biografia.php

DEPOIMENTOS
http://www.cancaonova.com/portal/canais/especial/padreleo/depoimentos.php

PREGAÇÕES
http://www.cancaonova.com/portal/canais/especial/padreleo/pregacao.php

GALERIA DE FOTOS
http://www.cancaonova.com/portal/canais/especial/padreleo/pregacao.php

VÍDEOS
http://www.cancaonova.com/portal/canais/especial/padreleo/videos.php

COMUNIDADE BETHÂNIA
http://www.bethania.com.br

ANIVERSARIANTES DO MÊS DE FEVEREIRO

03Rosa Virginia Santos Sousa
06 – Deíla Barbosa Maia
06 – Ligia Mônica Wanghon Coelho
06 – Ivone Wanghon
06 – Moisés de Oliveira Vaughan
07 – Inglea Carla Santana Lopes
07 – Ronaldo Wanghon Monteiro
10 – Victória Letícia Teixeira Monteiro
20 – Nilson Wanghon
25 – Aquiles Vaughan
27 – Cleonice Pedroso
Wanghon
Desejamos muita felicidade, saúde e sorte aos amigos e parentes que aniversariam no mês de fevereiro.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Poesia de Quinta

por Deíla Maia

Pessoal,
São engraçados os estereótipos que vamos absorvendo através da cultura, ao longo dos tempos, e como eles, na maioria das vezes, são apenas uma percepção bastante míope e tacanha da realidade.
Em relação aos povos do mundo, por exemplo: tem-se que os franceses são apaixonados e não gostam de tomar banho; os ingleses são frios e calculistas; os americanos se acham os donos do mundo; os brasileiros só pensam em futebol, samba e cerveja...e por aí vai.
No que diz respeito aos russos, da antiga União Soviética, a idéia que nos é repassada, em geral, é de um povo frio, difícil de entender, complexo, muito chegado à vodka, talvez até para esquentar os corpos gélidos de tanta neve. Mas quando nos deparamos um pouquinho só com a cultura deste povo, por exemplo, através da poesia, vemos que não é bem assim.
Escolhi para vocês uma poesia doce como o mel, e ao mesmo tempo, realista e madura sobre o amor. Concordo plenamente com ela. Ela não tem título, mas se eu pudesse, colocaria "Reflexões sobre o amor" ou, melhor ainda: "O amor é como um bom poema"...Mas não posso nomear a poesia alheia, seria um sacrilégio.
Bem, o autor é (lá vai um nome difícil): Stepán Petróvitch Shtchipatchóv (me lembrou o meu querido "Pet" do Flamengo!!!!!), nascido em 1889, perto dos Montes Urais, na província de Krai, vindo a falecer em Moscou em 1980. Sua família era bem pobre, perdeu o pai aos 4 anos, mendigava na rua... Depois arranjou um emprego numa livraria, onde começou a sua paixão pela literatura, pela poesia. Lutou no Exército Vermelho, ganhou vários prêmios literários e nunca perdeu sua ternura. A poesia dele é bem subjetivista, amorosa, delicada, do jeito que eu gosto. Espero que apreciem também.
Esta poesia foi extraída do livro "Poesia soviética", uma antologia de grandes autores desta localidade, que eu não tinha nem idéia de tanta qualidade. É um livro realmente lindo, que eu ADOREI ganhar. Adoro ficar folheando este livro, numa tarde preguiçosa de sábado. Tem cada poesia linda. Um verdadeiro tesouro!!!!!
Ofereço a poesia de quinta de hoje a uma mulher muito forte e batalhadora, que assim como o estereótipos dos russos, pode parecer "durona", "fria", mas que no fundo, para quem se dispõe a conhecer um pouquinho além do óbvio, das "máscaras" profissionais, vai ver que é uma pessoa sensível, delicada e extremamente afetuosa. Para minha eterna professora Oriana Gomes, com muito carinho.
Beijos
Deíla

Saber apreciar o amor é, antes de mais nada,
saber apreciá-lo com o passar dos anos.
O amor não são suspiros num banco
nem passeios ao luar.
É tudo: a lama e as primeiras neves.
É uma vida inteira que é preciso viver juntos. O amor é parecido com um bom poema:
e um bom poema não se faz sem sofrimento.

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural

Bandeira da ASDECON

Bandeira da ASDECON
ASSOCIAÇÃO DOS DESCENDENTES DE CONFEDERADOS AMERICANOS NA AMAZÔNIA

Brasão da família Vaughan

Brasão da família Vaughan

ClickComments

Arquivo do blog

ESCLARECIMENTO / EXPLICATION

Esclarecemos que em função de erros cometidos por ocasião das escriturações nos cartórios de Santarém, durante os registros de nascimentos, diversas famílias de origem confederada (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc...) tiveram seus nomes escriturados de forma errada.
A família VAUGHAN, por exemplo, assumiu algumas formas diferentes de escrituração: Vaughon, Waughan e Wanghon.
Recentemente alguns descendentes da família VAUGHAN e de outras famílias, com o auxílio de advogados e seguindo as árvores genealógicas, efetuaram as correções devidas nos cartórios locais e passaram a escrever corretamente os seus nomes.
Devido a pronúncia do nome VAUGHAN ser diferente da forma que é escrita, alguns descendentes passaram a adotar a denominação de “Von”, mas tão somente para facilitar o entendimento da leitura, sem alterar a forma de registro.

We clarified that in terms of errors committed during the notary records in Santarém, in the records of births, several families of confederates (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc ...) had their names entered in wrong. The family VAUGHAN, for example, took a few different ways to book: Vaughon, Waughan and Wanghon. Recentemente VAUGHAN some descendants of the family and other families with the help of lawyers and following the tree, made the necessary corrections in notary places and began to write their names correctly. Due to the pronunciation of the name VAUGHAN be different from the way it is written, some descendants moved to adopt the name of "Von", but only to facilitate the understanding of reading, without changing the way of record.