Quem sou eu

Pesquisar este blog

domingo, 28 de março de 2010

DOMINGO DE RAMOS


O Domingo de Ramos é a festa litúrgica que celebra a entrada de Jesus Cristo na cidade de Jerusalém. É também a abertura da Semana Santa. Nesse dia, são comuns procissões em que os fiéis levam consigo ramos de oliveira ou palmeira, o que originou o nome da celebração. Segundo os Evangelhos, Jesus foi para Jerusalém para celebrar a Páscoa Judaica com os(discípulos). Entrou na cidade como um Rei, mas sentado num jumentinho - o simbolo da humildade - e foi aclamado pela população como o Messias, o Rei de Israel. A multidão o aclamava: "Hosana ao Filho de Davi!" Isto aconteceu alguns dias antes da sua Paixão, Morte e Ressurreição. A Páscoa Cristã celebra então a Ressurreição de Jesus Cristo.

História
A procissão do Domingo de Ramos surgiu depois que um grupo de cristãos da Etéria fez uma peregrinação a Jerusalém e, ao retornar, procedeu na sua região da mesma forma que havia feito nos lugares santos, lembrando os momentos da Semana Santa. O costume passou a ser utilizado gradualmente por outras igrejas e, ao final da Idade Média, foi incorporado aos ritos da Semana Santa....

Durante a procissão, os fiéis entoam a antífona:
Ao chegar onde será celebrada a missa solene, a festa muda de caráter, passando a celebrar a Paixão de Cristo. É narrado o Evangelho da Paixão, e segue a Liturgia Eucarística como de costume.

Semana Santa
Domingo de Ramos • Segunda-Feira Santa • Terça-Feira Santa • Quarta-Feira Santa • Quinta-Feira Santa • Sexta-Feira Santa • Sábado Santo • Domingo de Páscoa • Segunda-feira de Páscoa
fonte: Wikipédia

quinta-feira, 25 de março de 2010

Poesia de Quinta

por: Deíla Maia

Pessoal,
Escolhi para a Poesia de Quinta de hoje a poetisa cearense Rachel de Queiroz, falecida há menos de um década (em 2003) e sem dúvida um dos grandes ícones da poesia brasileira.
Esta poesia me lembrou muito uma amiga minha muito querida, que aniversariou recentemente, pois nos ensina que mesmo que tenhamos condições adversas de vida, problemas, dificuldades, sempre podemos dar um jeito de tornar a vida mais leve e mais bonita, colorida. A vida desta minha amiga é uma verdadeira poesia. Ela já teve e tem alguns problemas, mas está sempre de bem com a vida, sorridente, leve, disposta a ajudar. Esta poesia é bem solar, que nem ela. Wilma Calixto, esta poesia é a sua cara.
Reflitam sobre a beleza e simplicidade destes ensinamentos.
Beijos

Deíla

TELHA DE VIDRO
Rachel de Queiroz

Quando a moça da cidade chegou
veio morar na fazenda,
na casa velha...
Tão velha!
Quem fez aquela casa foi o bisavô...
Deram-lhe para dormir a camarinha,
uma alcova sem luzes, tão escura!
mergulhada na tristura
de sua treva e de sua única portinha...

A moça não disse nada,
mas mandou buscar na cidade
uma telha de vidro...
Queria que ficasse iluminada
sua camarinha sem claridade...

Agora,
o quarto onde ela mora
é o quarto mais alegre da fazenda,
tão claro que, ao meio dia, aparece uma
renda de arabesco de sol nos ladrilhos
vermelhos,
que — coitados — tão velhos
só hoje é que conhecem a luz do dia...
A luz branca e fria
também se mete às vezes pelo clarão
da telha milagrosa...
Ou alguma estrela audaciosa
careteia
no espelho onde a moça se penteia.

Que linda camarinha! Era tão feia!
— Você me disse um dia
que sua vida era toda escuridão
cinzenta,
fria,
sem um luar, sem um clarão...
Por que você na experimenta?
A moça foi tão vem sucedida...
Ponha uma telha de vidro em sua vida!

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

ELEIÇÕES DA ASDECON

Lembramos aos parentes e membros da ASDECON que no próximo dia 31/03 (4ª feira), realizaremos eleições para a escolha da nova diretoria da associação.
As eleições serão realizadas a partir das 19:30h, na residência da prima Nassara, localizada na travessa Djalma Dutra, nº 1070, entre 14 de março e Curuça - Tel.: 3087-8555.
Após as eleições será servido um coquetel entre os presentes. Contamos com a participação de todos.

segunda-feira, 22 de março de 2010

NIVER DO CANDINHO


Estamos divulgando fotos recebidas dos parentes de Santarém informando sobre o encontro em família que aconteceu no dia 11/03, em comemoração o aniversário do parente Candinho, realizado na sua fazenda.

Candinho estava muito feliz e aproveitou ao máximo todos os momentos. Ele está em pé (foto acima) e sentado ao lado de sua esposa Vanda, seu filho Dorivaldo e as sobrinhas Rosilda, Oneide, Risoneide e Fátima (foto abaixo).

Ao parente Candinho os nossos sinceros votos de muita saúde, felicidade e sucesso.

PARABÉNS!!!

quinta-feira, 18 de março de 2010

Poesia de Quinta

por: Deíla Maia

Pessoal
Escolhi para a Poesia de Quinta de hoje um dos mais importantes poetas espanhóis do século XX: Federico Garcia Lorca. Esta poesia dele é um pouco triste e melancólica, mas ao mesmo tempo, leva a uma profunda reflexão sobre o tempo, o vazio e o deserto que pode se tornar as nossas vidas, se não tomarmos os devidos cuidados...A Poesia de Quinta de hoje vai especialmente dedicada para a Daniella e para a minha mãe.
Beijos
Deíla


E depois
Federico Garcia Lorca
Os labirintosque cria o tempose desvanecem.
(Só ficao deserto)
O coraçãodo desejo,
se desvanece.
(Só ficao deserto)
A ilusão da aurorae os beijosse desvanecem.
Só ficao deserto.
Um ondulado
deserto.


PS: A leitura excessiva destes textos pode levar à dependência cultural.

sábado, 13 de março de 2010

EDITAL DE CONVOCAÇÃO PARA ELEIÇÕES NA ASDECON

"Caros Parentes e Membros da ASDECON,
Na qualidade de Presidente de Assembléia Geral da Associação, envio o EDITAL DE CONVOCAÇÃO para Assembléia Geral Ordinária, que será realizada na residência da sócia Nássara, no dia 31.03.2010, para deliberação da eleição e posse da nova Diretoria.

Como prevê o artigo 14 do Estatuto aguardamos manifestação quanto ao voto dos sócios ausentes por correio, telefone, fax, e-mail ou outro meio de comunicação, desde que chegue ao conhecimeto da Diretoria até o momento da conferência dos votos.

Disponibilizamos o celular do Presidente - Ronaldo Bruno - 091 8146-8756 e desta Presidente de Assembléia Geral - Celeste - 091 8181-6358, caso prefiram optar pelo telefone, bem como nosso e-mail para votos eletrônicos (celestewaughan@hotmail.com).

Atc,

CELESTE WAUGHAN SOUSA
Presidente de Assembléia Geral - ASDECON"

"Prezados parentes e sócios da ASDECON, Retifico o artigo informado anteriormente para recebimento do voto, onde se lê Artigo 14 leia-se Artigo 19. Celeste"

quinta-feira, 11 de março de 2010

Poesia de Quinta

por: Deíla Maia
Pessoal
A Poesia de Quinta de hoje é de um dos meus poetas prediletos: Alberto Caeiro (heterônimo de Fernando Pessoa). Quando li esta poesia, lembrei imediatamente do meu querido guru de yoga e meditação, Arturo... Como é difícil não pensar em nada. Eu que o diga, pois minha mente é muito agitada, com uma média de dez pensamentos por segundo rsrsrsrs. A Poesia de Quinta de hoje é especialmente dedicada a ele. Bem psicodélica e metafísica.
Beijos
Deíla


Há metafísica bastante em não pensar em nada.
O que penso eu do mundo?
Sei lá o que penso do mundo!
Se eu adoecesse pensaria nisso.
Que idéia tenho eu das cousas?
Que opinião tenho sobre as causas e os efeitos?
Que tenho eu meditado sobre Deus e a alma
E sobre a criação do Mundo? Não sei.
Para mim pensar nisso é fechar os olhos
E não pensar. É correr as cortinas Da minha janela (mas ela não tem cortinas).
O mistério das cousas? Sei lá o que é mistério!
O único mistério é haver quem pense no mistério.
Quem está ao sol e fecha os olhos,
Começa a não saber o que é o sol
E a pensar muitas cousas cheias de calor.
Mas abre os olhos e vê o sol,
E já não pode pensar em nada,
Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos
De todos os filósofos e de todos os poetas.
A luz do sol não sabe o que faz E por isso não erra e é comum e boa.
Metafísica? Que metafísica têm aquelas árvores?
A de serem verdes e copadas e de terem ramos
E a de dar fruto na sua hora, o que não nos faz pensar,
A nós, que não sabemos dar por elas.
Mas que melhor metafísica que a delas,
Que é a de não saber para que vivem
Nem saber que o não sabem? "Constituição íntima das cousas"...
"Sentido íntimo do Universo"...
Tudo isto é falso, tudo isto não quer dizer nada.
É incrível que se possa pensar em cousas dessas.
É como pensar em razões e fins
Quando o começo da manhã está raiando, e pelos lados das árvores
Um vago ouro lustroso vai perdendo a escuridão.
Pensar no sentido íntimo das cousas
É acrescentado, como pensar na saúde
Ou levar um copo à água das fontes.
O único sentido íntimo das cousas
É elas não terem sentido íntimo nenhum.
Não acredito em Deus porque nunca o vi.
Se ele quisesse que eu acreditasse nele,
Sem dúvida que viria falar comigo
E entraria pela minha porta dentro Dizendo-me,
Aqui estou! (Isto é talvez ridículo aos ouvidos
De quem, por não saber o que é olhar para as cousas,
Não compreende quem fala delas
Com o modo de falar que reparar para elas ensina.)
Mas se Deus é as flores e as árvores
E os montes e sol e o luar,
Então acredito nele,
Então acredito nele a toda a hora,
E a minha vida é toda uma oração e uma missa,
E uma comunhão com os olhos e pelos ouvidos.
Mas se Deus é as árvores e as flores
E os montes e o luar e o sol,
Para que lhe chamo eu Deus?
Chamo-lhe flores e árvores e montes e sol e luar;
Porque, se ele se fez, para eu o ver,
Sol e luar e flores e árvores e montes,
Se ele me aparece como sendo árvores e montes
E luar e sol e flores, É que ele quer que eu o conheça
Como árvores e montes e flores e luar e sol.
E por isso eu obedeço-lhe,
(Que mais sei eu de Deus que Deus de si próprio?).
Obedeço-lhe a viver, espontaneamente,
Como quem abre os olhos e vê,
E chamo-lhe luar e sol e flores e árvores e montes,
E amo-o sem pensar nele,
E penso-o vendo e ouvindo,
E ando com ele a toda a hora.
PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

domingo, 7 de março de 2010

P A R A B É N S M E N I N A S !!!




ANIVERSARIANTES DO MÊS DE MARÇO

01 – Maria Renata Wanghon Almeida
03 – Daniele Silva Waugham
05 – Luis Paulo Wanghon Maia
05 - Tereza da Costa Vaughan
07 – Celson Pedroso Vaughan
14 - Benjamin Franklin
15 – Bernardo Wanghon Maia
20 – José Ricardo Vaughan Souza
28 – Raimundo Nonato Bouth

SELETIVA PARAENSE DE JUDÔ - REGIONAL II

Aconteceu neste sábado (06), no ginásio da ESMAC (Cidade Nova VIII-Ananindeua), a seletiva paraense de Judô para escolha da delegação paraense que participará do Campeonato Brasileiro Regional II (AP/CE/MA/PA/PI), em são Luis-MA, nos dias 17 e 18 de abril.

Raifran e Thiago, atletas de Parauapebas.

TORNEIO
O torneio teve início às 09:00h com a presença e participação de excelente público. As categorias disputadas foram: sub-13, sub-15, sub-17, sub-20 e sênior masculino e feminino.

APURAÇÃO
O torneio foi apurado no sistema de eliminatória simples com repescagem olímpica onde somento os perdedores dos semifinalistas voltaram a se enfrentar.

PREMIAÇÃO
Foram entregues medalhas para os atletas classificados até o 3º lugar e troféus para as associações classificadas até o 5º lugar.

DESTAQUES
O destaque inicial ficou por conta da participação de RAIFRAN e THIAGO (foto maior), atletas deficientes visuais, que representaram com muito orgulho a Associação Girão de Artes Marciais, de Parauapebas-PA, emocionando o público presente.O principal festaque ficou com o judoca paraense LUIZ NOGUEIRA, da ESMAC, com 8 vitórias.Quem também se destacou foi a jovem VICTÓRIA LETÍCIA (foto ao lado - 12), faixa roxa, atleta da academia Dom Quixote, campeã da categoria peso pesado sub-13 feminino. Outros atletas também se destacaram e presentearam o publico presente com boas lutas e excelente nível técnico.










video video

A seletiva de judô teve seu final por volta das 20:00h. Em breve retornaremos com detalhes sobre a classificação final da seletiva.

BOLETIM OFICIAL Nº 001/2010

quinta-feira, 4 de março de 2010

Poesia de Quinta

por: Deíla Maia

Pessoal,
Com a proximidade do Dia Internacional da Mulher, resolvi escolher os versos de uma poetisa bem forte: ANNAAKHMÁTOVA. Ela foi uma das mais significativas poetisas russas do século XX. Viveu entre 1889 a 1966 e não passou incólume pelos horrores da Segunda Guerra Mundial e depois com a opressão política do stalinismo. Ela passou pelos horrores da guerra, teve um marido fuzilado, outro morto nos campos de concentração, um filho preso, suas poesias eram censuradas pelas autoridades stalinistas, mas ela não desistia e criou uma poesia muito singular e direta.
Escolhi esta poesia, pois defende com veemência algo fundamental em qualquer país: a liberdade de expressão.
Detesto este viés dado ultimamente ao "Dia da Mulher", em que só se fala em batom, cremes, rosas etc., como se a mulher de hoje só se importasse com futilidades. Vaidade é importante, mas não é "tudo" na vida de uma mulher. Isto não deixa de ser um comportamento bem machista, que não vê a mulher em sua integridade de ser.
Dedico a Poesia de Quinta de hoje a uma jornalista por quem nutro grande admiração: Edvânia.
Parabéns antecipado a todas as mulheres, pelo próximo dia 08 de março.
Beijos
Deíla

CORAGEM
Anna Akhmátova 1942

Sabemos o que agora está em jogo
e o que está agora acontecendo.
A hora da coragem soa em nossos relógios
e a coragem não nos há de desertar.
Não tememos uma barreira de chumbo
nem é amargo ficarmos sem um teto -
desde que te preservemos, língua russa,
grande palavra russa!
Livre e pura te transmitiremos
aos nossos netos, livres do cativeiro
para sempre!

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

quarta-feira, 3 de março de 2010

Cinco dias na "Pérola do Tapajós"

No período de 24/02 a 01/03 visitamos Santarém, a "Pérola do Tapajós", onde atualmente reside nossa mãe, Irene "Von".

Dr. Nivaldo, Gerardo "Von", Irene (mãe), Fátima e Ronaldo (irmão), em Belterra.

Chegamos na quarta-feira (24) e na mesma noite prestigiamos um jantar promovido pela Casa da Amizade, em benefício da associação SEARA, onde encontramos com as primas Oneide e Rosilda "Von", além de alguns outros amigos que há muito não tinhamos o prazer de ver e conversar.

Anastácia Coralina, com sua filha Clara Yasmin

Desde nossa chegada, fomos muito bem recebido por todos. Ficamos hospedado na residência de Irene, onde também estavam Ronaldo, filho mais velho de Irene, e sua esposa Fátima, além de nossa sobrinha e afilhada Anastácia Coralina, com sua Clara Yasmin de apenas um mês de nascida.

Na manhã seguinte fomos ao Mercadão de Santarém para comprar peixe (é claro!) e depois demos umas voltas pela cidade. De tarde, em companhia da prima Rosilda "Von", conhecemos o Centro Educacional João de Barro, da Sociedade de Estudos e Aproveitamento dos Recursos da Amazônia (SEARA), no bairro de Santana. O SEARA é uma ONG que desde 1979 iniciou um trabalho pioneiro no Brasil, conhecido como Alimentação Alternativa (hoje alimentação enriquecida). A Dra. Clara Takaki Brandão foi quem iniciou o projeto, hoje utilizado em todo o Brasil na recuperação de crianças desnutridas, utilizando plantas da Amazônia, sementes além de farelos de trigo e de arroz.

Paulo e Gerardo, em Alter do Chão

Na sexta-feira (26) fomos na praia do Maracanã e pela noite prestigiamos a tradicional seresta do Fluminense Atlético Clube.
No sábado (27), convidado pela prima Angela e seu esposo Dr. Nivaldo, fomos almoçar na praia de Porto Novo, passando antes pela histórica cidade de Belterra. Seguimos depois para Alter do Chão onde pernoitamos na residência dos parentes Paulo e
Tereza.
Em Alter do Chão, apesar de toda a chuva, tivemos o grande prazer de conhecer o Sr. Allison Jones, natural de Americana (SP) e também descendente de confederados americanos que atualmente reside em Alter do Chão. Durante o encontro com o Sr. Jones, fomos presenteado por sua esposa, Eloisa, com um exemplar da 2ª edição do livro "Soldado Descansa!", de autoria da escritora Judith Mac Knight Jones, mãe do Sr. Alison Jones.

Capa do livro Soldado Descansa!

Família Jones, com Gerardo "Von"

Enfim, o tempo foi muito curto para tantos bons momentos mas ao mesmo tempo bastante prazeroso. No final da tarde de domingo (28) retornamos para Santarém com muita saudade da bela Alter do Chão.
Agradecemos a todos pela receptividade e boas vindas que tivemos. Regressamos para Belém na tarde de segunda-feira (01/03) com desejos de breve regresso.
Um forte abraço, saúde e paz para todos!

terça-feira, 2 de março de 2010

A MULTIMISTURA DA VIDA


A Sociedade de Estudos e Aproveitamento dos Recursos da Amazônia (SEARA), iniciou suas atividades em 1979, em Santarém-PA, voltadas ao atendimento nutricional, pedagógico e social de crianças carentes do município. É uma entidade civil sem fins lucrativos de natureza associativa, tendo como grande idealizadora a doutora Clara Brandão, inicialmente através de convênios com a Legião Brasileira de Assistência (LBA), e posteriormente congregou um grupo de voluntários para fundar a sociedade, que conta com voluntárias trabalhando diretamente com as crianças.

Origem – A SEARA partiu de um levantamento feito em vários bairros periféricos da Santarém que identificou um alto índice de crianças subnutridas de 1º, 2º e 3º graus. Na época, a doutora Clara juntamente com seu esposo chegaram em Santarém procedentes de Goiás, onde tinham iniciado um trabalho nutricional com crianças carentes. Ao verem a situação no município, ficaram preocupados com o grau de desnutrição das crianças santarenas e resolveram dar continuidade ao mesmo trabalho aqui, através da SEARA. Atualmente, um dos principais trabalhos desenvolvidos pela SEARA em Santarém ainda é o beneficiamento de farelo de trigo e de arroz, folha da macaxeira, casca de ovos, plantas, cereais, raízes e etc. (desperdiçados pela maioria da população), que são transformados em alimento alternativo para consumo e que vem dando resultados satisfatórios tanto físico como intelectual, para as crianças subnutridas assistidas pela creche.

Objetivo – A coordenadora da SEARA, Lenice Silva informa que o objetivo principal da sociedade “é trabalhar justamente a parte nutricional das crianças, através da alimentação alternativa e a educação alimentar nas famílias para melhorar e manter as condições de vida e saúde da população”. Segundo ela, outro objetivo da entidade é recuperar ainda a criança desnutrida e tentar levar o trabalho da SEARA a sociedade para com isso melhorar suas condições de vida e saúde do povo. Para isso, Lenice Silva ressalta que a SEARA oferece treinamento sobre alimentação alternativa em vários lugares do Brasil, sempre que é requisitado.
Ela enfoca também que as vantagens do trabalho da SEARA são inúmeras, principalmente porque a alimentação alternativa oferece ao organismo humano um alto valor nutritivo, tem baixo custo, preparo rápido e de fácil acesso. Segundo a coordenadora, para a criança, o alimento oferece nutrientes do grupo das proteínas, das vitaminas e sais minerais e dos energéticos que são necessários para o organismo humano, dando a manutenção a saúde, recuperando o cérebro e o físico, além do fator de Q.I. (Coeficiente Intelectual).

Atendimento – A SEARA atende cerca de 140 crianças de 1 a 5 anos de idade, além de vários monitores mirins, de 8 a 12 anos de idade que foram apanhados nas ruas. Na SEARA as crianças recebem diariamente orientação nutricional, além das atividades pedagógicas e sociais. Segundo a coordenadora, as crianças permanecem na creche por um período de 8 horas e recebem duas alimentações completas e dois lanches reforçados. Ela frisou ainda que o alimento servido para as crianças é o mesmo servido para todos os funcionários, e quase não se usa carne vermelha. Para a criança ingressar na SEARA, Lenice disse que os pais devem comparecer para uma entrevista na entidade e identificar o tipo de vida que a família leva, além da carteira de saúde e o registro de nascimento. Ela disse que nenhum ônus é cobrado.

Manutenção – A SEARA é mantida com recursos oriundos da própria comunidade, além de uma pequena ajuda do governo municipal e outras doações. Todos os funcionários da SEARA são voluntários e ganham apenas uma pequena gratificação mensal.


Biografia da Dra. Clara Brandão
http://www.multimistura.org.br/biografia.htm
O trabalho pioneiro da médica Clara Brandão, fundadora da SEARA, em utilizar a multimistura como complementação alimentar de crianças desnutridas.

A Multimistura surgiu a partir de estudos sobre preparações alimentares regionais para o combate a desnutrição alimentar. Em 1975, a Dra Clara Brandão, especializada em Pediatria e, posteriormente, em Nutrição, iniciou, em Santarém, seus estudos a fim de descobrir uma ação para combater a desnutrição infantil. Com o progresso dos estudos, em 1979, e com a parceria do Projeto Casulo, da LBA (Legião Brasileira de Assistência), criou-se, a Sociedade de Estudos e Aproveitamento dos Recursos da Amazônia, a ONG SEARA, que visava atender crianças desnutridas, com educação e complementação alimentar, utilizando-se da multimistura.

A multimistura foi introduzida na alimentação das crianças em creches e, em quatro meses, percebeu-se os efeitos favoráveis da multimistura, as crianças começavam a se recuperar. Com os resultados positivos o trabalho foi continuado com a SEARA, mesmo depois da extinção da LBA. Rosilda Wanghon ("Von"), membro do Conselho Fiscal da SEARA e que por muitos anos esteve à frente dos trabalhos da associação, recebeu à reportagem e apresentou toda a estrutura física, educacional e administrativa do local.

A multimistura é um princípio básico de nutrição. Atualmente, a SEARA disponibiliza a multimistura em forma de um pó verde. É um complemento alimentar natural, rico em vitaminas e minerais, composto de farelo, pó de folhas verdes escuras, pó de sementes. Das misturas desses componentes se obtém um pó que é utilizado diretamente nas refeições, ou em sucos, batidas de frutas, ou da forma que a pessoa quiser. Dona Rosilda ressalta que o pó só não pode ser cozido, para que não perca seu valor nutricional. "O ideal é colocar a multimistura logo depois da preparação dos alimentos, na hora de servir", explica.

Dona Rosilda ressalta que a multimistura não pode ser vista como 'milagre', mas como uma maneira de suprir o organismo das deficiências de nutrientes, desde que, usada da forma correta, "não como substituição, mas como complementação alimentar".
Ao longo da visita, dona Rosilda mostrou a cozinha e como são manipulados e preparados os alimentos. Como exemplo, a cozinheira, mostrou uma bandeja enorme repleta de folhas verdes (escuras), dentre elas estava a Taioba, planta comumente vista nos quintais, e que estava sendo acrescentada na preparação do almoço do dia. O detalhe que a cozinheira enfatizou foi que a taioba não pode ser consumida crua, tem que passar por, pelo menos, de 50 minutos de cozimento.
No refeitório, onde as crianças se divertem comendo, há uma organização impecável. Crianças entre 1 a 5 anos aprendem a valorizar o momento, assim como os componentes da refeição.

Dona Rosilda, conta que as crianças que não têm o hábito de comer verduras em casa, resistem nos primeiros dias, mas que ao longo dos meses, "vão absorvendo a ideia de comer verduras".

Ana Carolina Pereira, atual coordenadora do Centro Cultural João de Barro (creche SEARA) conta que o trabalho da creche, funciona com o objetivo de tirar as crianças da desnutrição. São 140 crianças atendidas vindas de 10 bairros: Uruará, Área Verde, São José Operário, Santana, Prainha, Livramento, Jutaí, Diamantino, Mararu e Centro.As crianças atendidas têm entre 1 e 5 anos e ficam no centro por um período de 3 anos, no máximo, até saírem do quadro de desnutrição. Além disso, ela conta que a instituição visa trabalhar a educação alimentar de toda a família, de uma forma saudável e barata."Nós tentamos mostrar para cada mãe que é possível comer bem com pouco dinheiro, através do aproveitamento completo do alimento regional", explica.

Conheça a multimistura
A multimistura é vendida em porções de 200 gramas a um preço de R$ 3,00 e pode durar 20 dias, se consumido nas refeições diárias. O uso de 1 colher em cada refeição é suficiente para a reposição dos nutrientes.

Dona Rosilda (na foto, ao centro) dá ênfase à utilização da macaxeira por completo. O uso das raízes, mais consumida popularmente e, sobretudo, das folhas que são riquíssimas em vitamina A e Ferro. Em comparativo com a alface, por exemplo, a folha de macaxeira (mandioca) possui 1960 mg contra 87 mg da alface de vitamina A; e de ferro a folha de macaxeira possui 7,6 mg contra 1,3 da alface.Esse complemento promove o crescimento (dentro e fora do útero); aumenta a resistências às infecções; previne e cura anemias nutricionais; diminui as diarréias, diminui as doenças respiratórias e mantém a saúde.

Bandeira da ASDECON

Bandeira da ASDECON
ASSOCIAÇÃO DOS DESCENDENTES DE CONFEDERADOS AMERICANOS NA AMAZÔNIA

Brasão da família Vaughan

Brasão da família Vaughan

ClickComments

Arquivo do blog

ESCLARECIMENTO / EXPLICATION

Esclarecemos que em função de erros cometidos por ocasião das escriturações nos cartórios de Santarém, durante os registros de nascimentos, diversas famílias de origem confederada (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc...) tiveram seus nomes escriturados de forma errada.
A família VAUGHAN, por exemplo, assumiu algumas formas diferentes de escrituração: Vaughon, Waughan e Wanghon.
Recentemente alguns descendentes da família VAUGHAN e de outras famílias, com o auxílio de advogados e seguindo as árvores genealógicas, efetuaram as correções devidas nos cartórios locais e passaram a escrever corretamente os seus nomes.
Devido a pronúncia do nome VAUGHAN ser diferente da forma que é escrita, alguns descendentes passaram a adotar a denominação de “Von”, mas tão somente para facilitar o entendimento da leitura, sem alterar a forma de registro.

We clarified that in terms of errors committed during the notary records in Santarém, in the records of births, several families of confederates (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc ...) had their names entered in wrong. The family VAUGHAN, for example, took a few different ways to book: Vaughon, Waughan and Wanghon. Recentemente VAUGHAN some descendants of the family and other families with the help of lawyers and following the tree, made the necessary corrections in notary places and began to write their names correctly. Due to the pronunciation of the name VAUGHAN be different from the way it is written, some descendants moved to adopt the name of "Von", but only to facilitate the understanding of reading, without changing the way of record.