Quem sou eu

Pesquisar este blog

quinta-feira, 29 de julho de 2010

CONVOCAÇÃO PARA REUNIÃO DA ASDECON


Retransmito abaixo convocação para reunião da ASDECON:

"Oi pessoal,

Estou lhes lembrando da nossa reunião mensal, que será dia 1º de agosto às, 10h00min, em Benfica. Aguardo a presença de todos que moram em Belém, Benfica e quem estiver de passagem pela terrinha.

Abraços,

Elizete Sardinha Waughan

Diretor de Secretaría da ASDECON"

elizete_s@oi.com.br

Poesia de Quinta

Pessoal,
A Poesia de Quinta de hoje nos convida a uma reflexão sobre mudanças, tema inclusive que eu gosto muito. Por mais que não se queira, nossa vida é SEMPRE repleta de mudanças. Lembrando o filósofo grego Heráclito, que até cito na minha poesia "Metamorfose", o rio que olhamos agora não é o mesmo rio de um minuto atrás. Tudo muda, tudo é movimento, quer nós queiramos ou não.
E a Poesia de Quinta de hoje vai carinhosamente dedicada a uma mulher que não teve medo de mudanças: mudou de país (foi para o Japão), mudou de estado civil (agora é casada), largou os empregos (e é formada em dois cursos superiores!!!) e ainda por cima fez uma das mais radicais mudanças na vida de uma mulher: está grávida!!!! Minha querida Ellen Barreto, que nós conhecemos como "Ellinha" (nossas famílias são amigas desde que meus pais se mudaram para São Luís), esta poesia é para vc. Boas reflexões para todos!!!!

Beijos camaleônicos,

Deíla

MUDANÇAS
Pedro Sattler

A mudança é inevitável!
Não são boas nem más, as mudanças, não obrigatoriamente,
Mas são obrigatórias, isso sim.

O Mundo muda, é assim que ele funciona.
A mudança é o que gera o tempo, pois este se limita a uma definição.
A mudança é o que gera a nossa vida e esta gira em torno da mudança.

Porque é então tão difícil aceitar a mudança?
A vida continua, mas eu não o quero e já lá vai o tempo em que o quis.
Porque quis então a mudança e já não a quero?
Porque o passado já foi feliz e disfarçava-se de perfeito;
Os tempos correm e levam a vida consigo, como uma folha leve, num rio sinuoso.
As casas mudam, os gostos mudam, os pensamentos mudam;
Os lugares mudam, as outras pessoas mudam e nós, nós, inevitavelmente, mudamos.

O que foi feliz é triste;
O que foi um amigo é apenas um conhecido;
O que foi lar é apenas lugar;
O que foi amor é apenas saudade;
O que fomos, já era;
O que certo foi, indefinido é.
O que foi, não o será!

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Chopps Bennyanos

Pérola que Habita o Céu!

Comovido com os olhares de sofrimento de Benjamin Junior: filho que chorou à beça a perda prematura de um grande amigo de sonhos - o seu sofrimento entristeceu-me muito -, resolvi resgatar e publicar o poema abaixo, anteriomente dedicado um outro jovem (Rudy, cria de Cintia, minha grande amiga) que também nos deixou na flor da juventude.

“O amigo é a resposta aos teus desejos.
Mas não o procures para matar o tempo!
Procura-o sempre para as horas vivas.
Porque ele deve preencher a tua necessidade,
mas não o teu vazio”.
Khalil Gibran

(Em Memória de Victor Barros Maneschy)


Responda-nos Victor
onde quer que você esteja...

Seráque se alguém te dissesse (antes da partida)
que o barco era sem velas,
que a noite era fria no vão das janelas irremovíveis,
o rio difuso,
A noite morta
e a porta sem uso,
será que assim mesmo Victor
por-te-ias a fugir apressado da aurora
sem (antes) ouvir o lamento dos vindouros
70 anos de ti?

Responda-nos Victor
onde quer que você esteja...

Será que se alguém te falasse (antes do arranque)
que a estrada era sem sinais luminosos,
que o ponto de partida era lotado,
que o chão de pétalas era negrejado,
a viagem confusa,
o entreolhar espantado
e a cerimônia restrita,
será que assim mesmo Victor
por-te-ias a completar a órbita do nunca
sem (antes) olhar a espaço
nave que te guiades
dizendo dos que (desde já saudosos...)
ainda te têm?

Responda-nos Victor
onde quer que você esteja...

Revela-nos o irrevelável!

http://benny-franklin.blogspot.com/

POESIA DE QUINTA

Pessoal,
Neste momento está caindo uma tempestade aqui em São Luís e eu estou aguardando um cliente que deve ter se atrasado pela chuva...

E foi bom porque, ao olhar a Lagoa sob a forte chuva, daqui da minha janela do escritório, me lembrei do meu poeta predileto, o Fernando Pessoa, o qual, inclusive, tem vários poemas sobre chuva.

Aí vai um deles...

Esta poesia vai carinhosamente dedicada a um compatriota de Fernando Pessoa e amigo do meu irmão mais velho, Paulo Portugues Aleixo.

Beijos encharcados
Deíla

Chove. Que fiz eu da vida ?
Fernando Pessoa

Chove. Que fiz eu da vida?
Fiz o que ela fez de mim...
De pensada, mal vivida...
Triste de quem é assim!
Numa angústia sem remédio
Tenho febre na alma, e, ao ser,
Tenho saudade, entre o tédio,
Só do que nunca quis ter...
Quem eu pudera ter sido,
Que é dele? Entre ódios pequenos
De mim, estou de mim partido.
Se ao menos chovesse menos!

F.Pessoa, 23-10-1931

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

terça-feira, 20 de julho de 2010

TOUR PELO TAPAJÓS

FELIZ DIA INTERNACIONAL DO AMIGO

"Amigo ocupa mais espaço do que somente o lado esquerdo do peito. Amigo é aquele com quem choro. É aquele com quem me divirto. Amigo é um só. Não importa se tenho um ou cem. Cada um em cada momento é especial, é único, é vital. Amigo não se escolhe. Não se "pede" ninguém em amizade. Ela existe ou não. Sem tempo predeterminado, sem prazo para iniciar. Amizade é sentimento, é afeto, amor, respeito, veracidade, troca, carinho, cumplicidade. É um beijo... um abraço."

sábado, 17 de julho de 2010

Chopps Bennyanos - By Benny Franklin

Quando o Sol se Puser!

Fotografia do entardecer na Ilha do Marajó por Vanvos

Para Saramar e Noelio Mello.
"Você Vê Coisas e diz:Por que ? ; Mas eu sonho Coisas Que Nunca existiram e digo :Por que não? "
(George Bernard Shaw )



I
Quando o sol se puser
que seja-me lícito bolir o sexo da terra...
Que os vermes nascidos das entranhas inumanas
fujam (todos!) com medo de mim...
Que o meu corpo não envelheça como o aço
mas seja eterno enquanto dure...

II
Quando o sol se puser
que a “Microsoft" e a "Linux” tenham descoberto
um software antimorte...
Que a “Sony” e a “Toshiba”
tenham inventado tevê para os cegos...
Que a “Mercedez-Benz” e a “Fiat”
tenham arquitetado trólebus para o Universo...
Que a “MacDonald” e a “China in Box” tenham alimentado o Continente Africano...
Que a “CIA” e o “Pentágono”
tenham autorizado um maciço bombardeio
às pragas e endemias:
eliminando-as do Planeta.

III
Quando o sol se puser
que a “Bayer” e a “Roche”
tenham descoberto a cura da Aids,
da diabete e da plena cegueira...
Que a “Merk e a "Pftzer"” tenham produzido
a pílula da eterna juventudee do eterno gostar...
Que a “Nestlé” tenha distribuído rios de Leite Ninho
às crianças carentes das favelas abandonadas...
Que a “Bombril” e a “Assolam”
tenham limpado e polido
toda corrupção da Terra...Que a “Nikon” e a “Olympus”
tenham fotografado e revelado
a face majestosa de Deus
em cacho.

IV
Quando o sol se puser
que o “Pão de Açúcar" e o "Extra”
não tenham remarcado milhares de preços exorbitantes...
Que a “Caixa Econômica" e o "Banco do Brasil”
tenham idealizado, construído e doado vinte milhões de casasàs famílias desalojadas...
Que a “Vale” e a “Tramontina”
tenham compartilhado lucros e riquezas
com os famintos do Pará...
Que a “Volks” e a “Ford”
tenham reajustado os salários dos metalúrgicos...
Que a “Votorantim”tenha pagado curso universitário
aos desarrimados do Ceará!

V
Quando o sol se puser
que a “Continental”, a “TAM” e a “Air France”
tenham voejado para os justos governantes da terra...
Que finalmente Israel e Palestina
tenham se pactuado e declarado o fim do derramamento de sangue inocente...
Que a “NASA” tenha pousado a sua mais estonteante astronave
nas névoas da constelação de Ursa Menor...
Que a “IBM” tenha produzido com perfeição
o super micro da nova era...
Que a “Pirelli” e a “Goodyear” tenham reflorestado
todas as seringueiras do Mundo.

VI
Quando o sol se puser
que o “Real” e o “Bradesco”
tenham se compadecido da fomedez dos fracos...
Que o “Itaú” e o “JP Morgan”
tenham se afastado dos lucros não muito honestos...
Que a “Taurus” e a “CBC”
tenham encerrado a produção de armas e munições...
Que os tanques de guerra da “Engesa” e da “Omsk” não tenham ultrapassado fronteiras...
Que a “CNN e a BBC” tenham suplicado:
“É preciso alimentar os pobres da terra...”
Que a “Coca Cola” e a “Pepsi”
tenham engarrafado doçurae não maus feitos com drogas...
Que a “Bulova” e a “Rolex”
tenham desmarcado a hora exatada nossa morte.


VII
Quando o sol se puser
que o “Estatuto do Homem”
tenha sido reinventado...
Que muitos “Thiagos”
(até mesmo os de estômagos vazios...)
tenham sido copulados...
Que o sol de Belém do Pará
(realmente e para sempre...)
tenha soprado um brilho amazônico para todos
os viventes da Terra.

VIII
Bendizendo do olhar que fere o mau tempo
voo alto mas mantenho os pés no chão
e alimento fé que quando o sol se puser
já tenha a palavra “injustiça” sido suprimida dos dicionários
e que a fome de "justiça" doravante seja para qualquer homem
o alimento divinoa ser humanamente conquistado...
Porque agora (e para sempre...)
o que vale não é a sanha da barganha
e sim a força da esperança que reinan
o coração da nova humanidade...
Porque de agora em diante o que vale e vale
(realmente e para sempre...)
é o pouco que ainda resta,
pedaço por pedaço,
dos tsunamis da vida!

fonte: http://benny-franklin.blogspot.com/

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Poesia de Quinta


Pessoal,
A turma do meu irmão mais velho está toda entrando nos quarenta, e talvez por conta disso, como gosto sempre de me adiantar um pouquinho, estou lendo e me aprofundando neste assunto da idade, que parece ser um marco na vida de uma pessoa...
Recebi este poema de um querido amigo meu de Belém, que também já passou dos quarenta!!! , e que diz que esta é uma fase deliciosa da vida, que não deixa ter saudade dos 20... O poeta é paraense, já falecido, Ruy Barata.
Vou dedicar a Poesia de Quinta de hoje a um dos amigos do meu irmão, que está entrando nos quarenta também este ano e que aproveitou a oportunidade para se dedicar a um doutorado, fora de São Luís. A Canção dos Quarenta de hoje vai carinhosamente dedicada ao famoso e polêmico Wagner Cabral.
Beijos com gosto de vinho,
Deíla

Canção dos quarenta anos

Poema, suspende a taça

pelos dias que vivi,

Espelho, diz-me em que jaça

mais fiel me refleti.

Quarenta anos correr

ame neles também corrí.


Quarenta anos, quarenta!

(Quantos mais ainda virão?)

Morrerei hoje de infarto

ou amanhã de solidão?

Serei pasto da malária?

Serei presa do avião?


A morte engendra a esperança.

A morte sabe fingir.

A morte apaga a lembrança

da morte que vai ferir.

E em cada instante que passa

a morte pode surgir.


Quem pode medir um homem?

Quem pode um homem julgar?

Um homem é terra de sonhos,

sonho é mundo a decifrar,

naveguei ontem no vento,

hoje cavalgo no mar.


Hoje sou. Ontem, não era.

Amanhã, de quem serei?

Um homem é sempre segredos.

(Por qual deles purgarei?)

Dos meus netos, qual o neto,

em que me repetirei?


Que virtudes foram minhas?

Que pecados confessar?

Que territórios de enganosa meus filhos vou legar?

A quem passarei meu canto

quando meu canto passar!


Ah! como a vida é ligeira!

Ah! como o tempo de

flui!

Este espelho não mais falada criança que já fui,

das minhas rugas ruindo

apenas um nome rui


Quedê rede balançando?

Quedê peixinhos do mar?

Quedê figo da figueira

pru passarinho bicar?

E o anel que tu me deste

em que dedo foi parar?


Dezembro chama janeiro,

(fevereiro vai chamar ?)

Monte-Cristo se me vissenão iria acreditar.

Como está velho, diriaa donzela Dagmar.


Um homem cresce espalhando

o reino em que foi feliz.

Onde Athos? Onde Porthos?

Onde o tímido Aramis?

Um homem cresce querendo

e cresce quando não quis.


Crescer é rima de vida

mas também é de morrer.

Crescer é terna ferida,

que só dói no entardecer.

Em cada raiz da morte

há sempre um verbo crescer.


E cresço: macho e poeta.

(Subo em linha, volto em cor)

cresço violentamente,

cresço em rajadas de amor,

cresço nos filhos crescendo,

cresço depois que me for.


Cresço em tempo e eternidade,

cresço em luta, cresço em dor,

fiz meu verso castrado

nem me rendo ao opressor,

cresço no povo crescendo,

cresço depois que me for.


E cresço na aurora livre

galopando esse corcel.

cresço no verso espumando

entre as linhas do papel.

cresço rubro de esperança

na barba de Don Fidel.


Quarenta anos, quarenta!

(E nem sequer percebi!)

Quarenta anos correrame neles também corri.

E nesses quarenta anos,

Oitenta de amor por ti.


Violão de Rua - 1962

(Cadernos de Povo Brasileiro)

Ruy Barata

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

Ruy Guilherme Paranatinga Barata (Santarém, 25 de junho de 1920São Paulo, 23 de abril de 1990) foi um poeta, político, advogado, professor e compositor brasileiro.
Filho único de Maria José (Dona Noca) Paranatinga Barata e do advogado Alarico de Barros Barata. Recebeu o nome Rui em virtude da admiração paterna por Rui Barbosa. O indígena Paranatinga vem do lado materno, que significa rio (paraná) branco (tinga).
Foi alfabetizado pelo pai. Aos dez anos vem para Belém para continuar os estudos. Primeiro, no internato do Colégio Moderno; depois, no Colégio Nossa Senhora de Nazaré, dirigido pelos Irmãos Maristas. Faz o pré-jurídico no Colégio Estadual Pais de Carvalho, onde tem como professor o intelectual Francisco Paulo do Nascimento Mendes, de quem se torna amigo para a vida inteira, e se inicia na poesia escrevendo na revista Terra Imatura. Em 1938, entra para a Faculdade de Direito do Pará.
Em meio aos estudos jurídicos sente aumentar a paixão pela poesia. Mergulha fundo nos poemas de Maiakovski, Garcia Lorca, T.S. Elliot, Mallarmé, Rilke, Pablo Neruda, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Murilo Mendes, Jorge de Lima, entre outros. Abre-se ao pensamento de esquerda através da leitura do Manifesto Comunista de Marx e Engels.

Nota: para saber mais sobre a biografia de Ruy Barata consulte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Rui_Barata

http://www.culturapara.art.br/rbarata/ruy.htm

DE SÃO LUIS PARA SÃO PAULO

Recebemos da nossa colaboradora Dulcinea, que reside em São Luis, as fotos da viagem que ela, seu filho Cleriston e família, fizeram para São Paulo, no final de junho e início julho. Segundo Dulcinea, Cleriston morou na terra da garoa por 5 anos, enquanto fazia a residência médica e aproveitou a folga para rever amigos e tudo mais por lá; e "me levou junto", completou Dulcinea.

A turma toda aproveitou bastante a estadia para conhecer as novidades da capital paulista e fazer uma visitinha especial ao primo Aquiles, filho do saudoso tio Renato "VON", irmão da tia Orminda "VON", mãe de Bernardo. Aquiles se formou em medicina na cidade de Belém e foi fazer residência em São Paulo; especializou-se em Cardiologia e ficou trabalhando por lá. É casado com a Tânia, também de Belém e têm duas filhas - Amanda e Gabriela - lindas! Moram num confortável apartamento, na região do Parque do Ibirapuera.

Enfim, as fotos tiradas em São Paulo guardam as boas recordações da viagem. Vejam o slide abaixo:

quinta-feira, 8 de julho de 2010

POESIA DE QUINTA

Pessoal,

Há alguns anos, aqui em São Luís, um movimento cultural de vanguarda tem a teimosia de continuar vivo: a Confraria do Aprendiz de Feiticeiro.

Para os que não são ou não moram na Ilha do Amor, cabe uma breve explanação: a Confraria do Aprendiz de Feiticeiro é uma reunião de pessoas amantes da cultura, sob todas as formas, que se encontram (em geral, uma vez por mês) para tocar boas músicas, declamar poesias, dançar, bater papo, filosofar, rir..., enfim, para curtir a "magia" da vida.

As reuniões são em locais variados: no apê do Confrade-mor, em locais públicos, na Praia da Guia ...

O lugar não importa muito, o importante é rever os amigos, desfrutar bons momentos em excelentes companhias.

O idealizador e promotor cultural deste imprescindível movimento faz aniversário hoje: meu querido Gois Jr - músico, poeta, advogado, professor, blogueiro, agitador cultural... Um homem inteligente, bonito, delicado, sensível, meu Confrade-Mor!!!

Para ele dedico a Poesia de Quinta de hoje, com uma poesia do próprio, que eu adoro: "Por falar em Alice..."Recomendo fortemente também a leitura do blog dele: Matraca Digital. O endereço segue abaixo:http://matracadigital.blogspot.com/

Beijos enfeitiçados,

Deíla

E por falar em Alice…
José Caldas Gois Jr.

ALICE !
Como que caído do buraco do Coelho
Num mundo nonsense de uma
Alice de imaginação tão cheia
Sou todo estranho; aprecio ser espanto!
Pintor de quadros realistas
Fotógrafo de fotos surreais
Advogado artista
Aprendiz dos meus filhos
Mestre dos meus pais
Poeta lírico num tempo de poesia concretacético com pensamentos transcendentais
Romântico obsceno
Um adversário ameno,
Um amigo mordaz.
Mestre chapeleiro, não gosto de aniversários, desnecessários,
Comemoro a vida todos os dias!
Sempre apressado;
quem vê a vida da metade estatística dela vive essa síndrome do Coelho
Abre-se minha saia (se eu usasse uma)
E me vejo no espelho:
Onde eu subia, eu caio
Onde era azul, sou vermelho.
Como que caído no buraco do Espelho
Num mundo Alice de uma nonsense imaginação tão cheia
Sou todo espanto, aprecio ser estranho!


PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

CURTINDO SANTARÉM


Ronaldo, Fátima e Irene Wanghon, curtindo a gostosa Praia de Maracanã (30/06). Segundo Fátima, agora é que a praia está boa para o banho, basta colocar a mesa e as cadeiras dentro d'agua e usufruir da água morna e transparente. Que beleza!

CLARA YASMIM


Clara Yasmim, de 5 meses, filha de Anastácia Coralina, é a mais nova torcedora do Brasil, da família Vaughan.

domingo, 4 de julho de 2010

FOTOS DO NIVER DA PRIMA ONEIDE, EM 04/06/2010 (SANTARÉM-PA)

por Dulcenea Maia
A nossa correspondente para assuntos sociais, direto de Santarém, nos relata o que aconteceu no dia 04/06/10, na festa de aniversário da prima Oneide.
Segundo Dulcenea Maia, a festa de aniversário foi muito badalada e cheia de boas surpresas! Antes da festa teve uma Missa, às 17:30h, na Catedral de Santarém. Depois aconteceu a bonita festa, na Casa da Amizade. Todos ficaram admirados com o bom gosto e pela excelente organização da festa organizada pela Oneide, que apesar de morar sozinha, promoveu uma festa daquelas. MUITO bem organizada, com salgadinhos deliciosos, jantar nota 10!
Estiveram presentes todos os filhos, quase todas as noras - faltou apenas a esposa do Roberto, que está com filho novo. Os netos estiveram quase todos, faltaram apenas os 2 mais velhos do Roberto. TODOS os irmãos, TODAS as cunhadas e TODOS os sobrinhos, inclusive a prima Deíla, de São Luis-MA. Além de tios, primos, e MUITOS amigos! Deíla, filha de Dulce e Bernardo, leu uma mensagem dedicatória para sua tia Oneide. Foi bem emocionante!
Falaram também o Márcio (filho caçula), a irmã Ormê, sua tia Irene, a prima Risoneide, a Presidente da Casa da Amizade, etc. E depois, a própria Oneide, que inclusive cantou belas músicas. Falar em música, foi um capítulo à parte: tanto a moça que cantou durante a maior parte da festa, como o talentoso primo Antonio "Von", que cantou depois. Deu um show!!! Ele tem uma voz FANTÁSTICA!





Outro evento importante do aniversário da Oneide foi o almoço, no Restaurante Mutunuy, em plena floresta amazônica. O casal amigo de Bernardo e Dulce, de São Luis, Drs. Artur e Teresinha Rêgo, adoraram a cidade de Santarém, que não conheciam, e tudo mais. Ela, inclusive, é sobrinha da D. Célia Brandão, que tem 94 anos! Mãe da Henriqueta, que mora em Santarém e era muito amiga da saudosa Dona Orminda, falecida mãe de Oneide. Enfim. foi uma festa ÓTIMA, com passeios maravilhosos.
O Hotel Barrudada, antigo Tropical Hotel, onde ficaram hospedados Bernardo, Dulce e Deíla, está MUITO bom!

quinta-feira, 1 de julho de 2010

POESIA DE QUINTA

por: Deíla Maia
Pessoal,
Este ano fui passar o São João no circuito nacional do forró (Campina Grande, Caruaru etc.) e logo na chegada do aeroporto de Campina, recebi um cordel tão bonitinho, entregue a todos os turistas...
Achei uma gracinha e super criativo. O cordel do sertão ajudando a divulgar os direitos dos consumidores. Fofo!!!
Não vou copiar todo, porque é grandinho (é um mini-livro), mas vou compartilhar com vocês um trechinho, para vocês sentirem o gosto bom das terras de lá.
A Poesia de Quinta de hoje vai especialmente dedicada a minha querida amiga Cassandra Queiroz, que foi minha super anfitriã lá em Campina Grande. Ela ficou lá e eu voltei, pois o trabalho me chama... :)

Um "xêro"a todos,
Deíla

O CORDEL DOS SEUS DIREITOS
Manoel Monteiro

Ao MAIOR SÃO JOÃO
DO MUNDO quem quiser vir
Vai dançar, beber, flertar,
Comer bem, se divertir,
Porém sem ser explorado
Porque terá a seu lado
O PROCON pra garantir.

Dançar não é proibido
Flertar muito também não
O que não é permitido
É cobrar CONSUMAÇÃO
MÍNIMA e isso porque
Só podem cobrar você
Do que pediu no "balcão".

No caso dos 10%
Do garçom é facultado
Ao consumidor pagar
Ou deixar isso de lado,
Todo mundo é sabedor
Que cabe ao empregador
Pagar ao seu empregado.

Se o garçom é esforçado,
Atencioso e cortez
Desses que quando o chamamos
Ele vem com rapidez,
Quem lhe der um numerário
Não está pagando salário,
Mas, premiando o que fez.

(...)

No MAIOR SÃO JOÃO
DO MUNDO pode brincar,
Consuma o que lhe aprouver
Que ninguém vai lhe explorar
Na qualidade ou no preço,
Se houver algum tropeço
Vá ao PROCON reclamar.

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

Bandeira da ASDECON

Bandeira da ASDECON
ASSOCIAÇÃO DOS DESCENDENTES DE CONFEDERADOS AMERICANOS NA AMAZÔNIA

Brasão da família Vaughan

Brasão da família Vaughan

ClickComments

Arquivo do blog

ESCLARECIMENTO / EXPLICATION

Esclarecemos que em função de erros cometidos por ocasião das escriturações nos cartórios de Santarém, durante os registros de nascimentos, diversas famílias de origem confederada (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc...) tiveram seus nomes escriturados de forma errada.
A família VAUGHAN, por exemplo, assumiu algumas formas diferentes de escrituração: Vaughon, Waughan e Wanghon.
Recentemente alguns descendentes da família VAUGHAN e de outras famílias, com o auxílio de advogados e seguindo as árvores genealógicas, efetuaram as correções devidas nos cartórios locais e passaram a escrever corretamente os seus nomes.
Devido a pronúncia do nome VAUGHAN ser diferente da forma que é escrita, alguns descendentes passaram a adotar a denominação de “Von”, mas tão somente para facilitar o entendimento da leitura, sem alterar a forma de registro.

We clarified that in terms of errors committed during the notary records in Santarém, in the records of births, several families of confederates (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc ...) had their names entered in wrong. The family VAUGHAN, for example, took a few different ways to book: Vaughon, Waughan and Wanghon. Recentemente VAUGHAN some descendants of the family and other families with the help of lawyers and following the tree, made the necessary corrections in notary places and began to write their names correctly. Due to the pronunciation of the name VAUGHAN be different from the way it is written, some descendants moved to adopt the name of "Von", but only to facilitate the understanding of reading, without changing the way of record.