Quem sou eu

Pesquisar este blog

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Poesia de Quinta

Pessoal,
Esta poesia de Mário Quintana é bem conhecida e traz reflexões interessantes sobre a amizade, o amor, os relacionamentos humanos, enfim.
Assisti a uma palestra, recentemente, que falava também sobre isso, que o amor é libertador, não aprisiona, não arde em ciúmes (trecho bíblico, da carta de São Paulo aos Coríntios, capítulos 12 e 13 - para quem quiser conferir).
E aí vem o Quintana, com sua graciosidade e leveza, presenteando-nos com esta bela poesia. Realmente muito bela e profunda, mesmo sendo aparentemente simples.
Ofereço esta poesia a todos meus amigos, próximos e distantes, em especial para a minha amiga-abraço, minha querida e doce Ivone Sampaio Soares.
Por último, fica a dica de filmes, pois estamos com ótimos filmes brasileiros em cartaz. Tropa de elite 2 é excelente, reflexivo, uma obra-prima para quem quer discutir sobre a violência urbana não apenas no Rio, mas no Brasil. Só que tem cenas muito fortes, de violência brutal. Confesso que tive até vontade de sair do cinema, de tão chocantes que eram. E também tenho meus traumas com 11 assaltos nas costas, logo ver aqueles bandidos (traficantes, policiais, políticos), as cenas no presídio e as "desovas" humanas, não me fizeram muito bem. Mas gostei muito do filme, apesar de tudo...
Agora, quem quer lavar a alma, deixar a vida mais leve e bucólica, não deve perder o novo filme do Arnaldo Jabor: A SUPREMA FELICIDADE. Este aí não tem contra-indicação. É lindo, poético, leve, maravilhoso!!!! Não deixem de conferir.
Um grande abraço a todos,
Deíla

O LAÇO E O ABRAÇO

Mário Quintana



Meu Deus! Como é engraçado!

Eu nunca tinha reparado como é curioso
um laço... uma fita dando voltas.

Enrosca-se, mas não se embola, vira,
revira, circula e pronto: está dado o laço.

É assim que é o abraço: coração com
coração, tudo isso cercado de braço.

É assim que é o laço: um abraço no
presente, no cabelo, no vestido, em qualquer coisa onde o faço.
E quando puxo uma ponta, o que é que acontece?

Vai escorregando... devagarzinho,
desmancha, desfaz o abraço.

Solta o presente, o cabelo, fica solto
no vestido.

E, na fita, que curioso, não faltou
nem um pedaço.

Ah! Então, é assim o amor, a amizade.

Tudo que é sentimento. Como um pedaço de fita.

Enrosca, segura um pouquinho, mas pode
se desfazer a qualquer hora, deixando livre as duas bandas do laço.

Por isso é que se diz: laço afetivo,
laço de amizade.

E quando alguém briga, então se diz:
romperam-se os laços.

E saem as duas partes, igual meus
pedaços de fita, sem perder nenhum pedaço.

Então o amor e a amizade são isso...

Não prendem, não escravizam, não
apertam, não sufocam.

Porque quando vira nó, já deixou de
ser um laço!

PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultural.

Nenhum comentário:

Bandeira da ASDECON

Bandeira da ASDECON
ASSOCIAÇÃO DOS DESCENDENTES DE CONFEDERADOS AMERICANOS NA AMAZÔNIA

Brasão da família Vaughan

Brasão da família Vaughan

ClickComments

ESCLARECIMENTO / EXPLICATION

Esclarecemos que em função de erros cometidos por ocasião das escriturações nos cartórios de Santarém, durante os registros de nascimentos, diversas famílias de origem confederada (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc...) tiveram seus nomes escriturados de forma errada.
A família VAUGHAN, por exemplo, assumiu algumas formas diferentes de escrituração: Vaughon, Waughan e Wanghon.
Recentemente alguns descendentes da família VAUGHAN e de outras famílias, com o auxílio de advogados e seguindo as árvores genealógicas, efetuaram as correções devidas nos cartórios locais e passaram a escrever corretamente os seus nomes.
Devido a pronúncia do nome VAUGHAN ser diferente da forma que é escrita, alguns descendentes passaram a adotar a denominação de “Von”, mas tão somente para facilitar o entendimento da leitura, sem alterar a forma de registro.

We clarified that in terms of errors committed during the notary records in Santarém, in the records of births, several families of confederates (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc ...) had their names entered in wrong. The family VAUGHAN, for example, took a few different ways to book: Vaughon, Waughan and Wanghon. Recentemente VAUGHAN some descendants of the family and other families with the help of lawyers and following the tree, made the necessary corrections in notary places and began to write their names correctly. Due to the pronunciation of the name VAUGHAN be different from the way it is written, some descendants moved to adopt the name of "Von", but only to facilitate the understanding of reading, without changing the way of record.