Quem sou eu

Pesquisar este blog

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

"Ele conhece os gringos"


por: Jeso Carneiro http://www.jesocarneiro.com/page/3
Foto: Podalyro Neto

"Há 20 anos, o santareno Gil Serique (foto), 45 anos, trabalha como guia turístico. A longa quilometragem o coloca como um dos mais experientes neste setor na Amazônia. Ele já trabalhou no Peru, Bahia, Amazonas, entre outros lugares pelo mundo afora.

É autor de um catálogo de aves, escrito em 7 línguas, que faz sucesso entre os turistas que aqui chegam. Serique é, como bem definiu o norte-americano radicado em Santarém Steven Alexander, o “anfitrião da Amazônia”.
No final de semana, um velho personagem da paisagem santarena, que Gil conhece muito bem, voltou a dá as caras por aqui: o turista. O transatlântico Silver Cloud foi quem abriu a temporada, e trouxe a primeira leva deles. E Gil estava lá, pela enésima vez, para recebê-los.
Para o leitor conhecer um pouco mais as manhas e manias dos “gringos” que desembarcam em terras santarenas, o blog resolveu entrevistar o guia, brother e anfitrião da Amazônia.

Qual o perfil do turista que costuma vir a Santarém nessas temporadas?
Gil Serique – A maioria é formada por casais aposentados, professores e profissionais liberais. Grande parte oriunda da América do Norte, com um número reduzido de canadenses e uma turma representativa da Europa Ocidental, especialmente Inglaterra e Alemanha.

O que eles querem ver aqui?
Sem dúvida alguma, biodiversidade, especialmente mamíferos e aves, enfim, a nossa fauna. Uma caminhada numa mata virgem é bastante apreciada. A culinária só pra fotografia, embora peixes, sorvetes e sucos de frutas nativas sejam largamente apreciados no próprio navio. As nossas praias de água doce serão mais valorizadas quando eles permanecerem mais tempo aqui, o que imagino que possa acontecer no futuro.

O turista chega com informações sobre a cidade ou aqui desembarca “zerado” sobre a história, atrações turísticas etc. da cidade?
Pra maioria dos turistas, conhecer a Amazônia é um sonho que eles carregam desde o berço. Todos lêem e assistem a documentários sobre o tema, e os navios que já possuem uma biblioteca relativamente rica sobre a região. Duas palestras diárias são dadas a bordo. Sem falar que muito da história escrita sobre a Amazônia tem a ver com o país deles. Eles chegam bem informados sobre os mais diversos temas e realidade. Os tours [roteiros de visitas] são vendidos nos navios. Os tours privados são reservados pela internet e atualmente representam uma fatia bem fina do bolo.

Ele, o turista, gasta os seus dólares em quê?
Por causa da massificação dos tours – 35 turistas por ônibus ou barco em média – o valor médio por tour é de 30 dólares. O grosso acaba merecidamente no bolso dos agentes. Raramente um turista gastaria mais de 1o0 dólares, incluindo compra de artesanato e gorjeta. Imagino que em Manaus as lojas especializadas em arte em pedras estejam bem na foto. Não devemos esquecer, nem tampouco negligenciar, a tripulação, cujo gasto se limita em grande parte a “cigarrets & alcohol”.

O turista gastaria muito mais se Santarém tivesse a oferecer o quê, por exemplo?
Mais biodiversidade e reservas ambientais, o que criaria mais opção de tours e uma permanência mais longa; mão de obra especializada, capacitando guias a organizarem seus próprios tours (no caso um tour privado, para oito pessoas alcança cerca de 120 dólares por pessoa) e pra tripulação muita festa.

O que achas que poder público podia oferecer a esses turistas, sem que tivesse que fazer grandes investimentos, a fim de potencializar ainda mais esse setor?
Gosto da idéia de preparar a cidade para quem nela vive e assim estaria pronto pra indústria de navios. É também fundamental a proteção dos recursos naturais, especialmente a várzea, onde a possibilidade de observação de vertebrados é enorme, principalmente as aves.

E Alter do Chão? Por que praia deixou de fazer parte do roteiro turístico desses navios?
Acho que é uma prova que os turista estão mais interessados em observação de animais, área que a várzea é imbatível. Uma outra razão foi a lastimável perda do Centro para a Preservação da Ciência, Arte, Cultura Indígena que tinha lá na vila."

Um comentário:

Bandeira da ASDECON

Bandeira da ASDECON
ASSOCIAÇÃO DOS DESCENDENTES DE CONFEDERADOS AMERICANOS NA AMAZÔNIA

Brasão da família Vaughan

Brasão da família Vaughan

ClickComments

Arquivo do blog

ESCLARECIMENTO / EXPLICATION

Esclarecemos que em função de erros cometidos por ocasião das escriturações nos cartórios de Santarém, durante os registros de nascimentos, diversas famílias de origem confederada (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc...) tiveram seus nomes escriturados de forma errada.
A família VAUGHAN, por exemplo, assumiu algumas formas diferentes de escrituração: Vaughon, Waughan e Wanghon.
Recentemente alguns descendentes da família VAUGHAN e de outras famílias, com o auxílio de advogados e seguindo as árvores genealógicas, efetuaram as correções devidas nos cartórios locais e passaram a escrever corretamente os seus nomes.
Devido a pronúncia do nome VAUGHAN ser diferente da forma que é escrita, alguns descendentes passaram a adotar a denominação de “Von”, mas tão somente para facilitar o entendimento da leitura, sem alterar a forma de registro.

We clarified that in terms of errors committed during the notary records in Santarém, in the records of births, several families of confederates (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc ...) had their names entered in wrong. The family VAUGHAN, for example, took a few different ways to book: Vaughon, Waughan and Wanghon. Recentemente VAUGHAN some descendants of the family and other families with the help of lawyers and following the tree, made the necessary corrections in notary places and began to write their names correctly. Due to the pronunciation of the name VAUGHAN be different from the way it is written, some descendants moved to adopt the name of "Von", but only to facilitate the understanding of reading, without changing the way of record.