Quem sou eu

Pesquisar este blog

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Wilson Fonseca - Maestro Isoca


Índice
1 Biografia 2 Obras 3 Discografia 4 Reconhecimento 5 Livro 6 Ligações externas

Biografia
Wilson Dias da Fonseca, nascido em Santarém, dia 17 de novembro de 1912, também conhecido por maestro Isoca, é um compositor praticamente autodidata. Musicista com reconhecimento no Brasil e no exterior, grande incentivador da cultura, do folclore e da história da Amazônia, atuando também como fundador da Academia Paraense de Música (cadeira nº 24, que tem como patrono seu pai, o maestro José Agostinho da Fonseca (1886-1945)) e membro da Academia Paraense de Letras (cadeira nº 7).
Funcionário aposentado do Banco do Brasil, jamais se afastou de sua terra. Ao falecer, deixou viúva a Srª Rosilda (Hennington) Malheiros da Fonseca, 89 anos, que é bisneta de Richard Hennington. Ela reside em Florianópolis (SC), em companhia de sua filha Maria das Dores. Isoca deixou também 6 filhos, além de netos, quase todos dedicados à música.
Wilson Fonseca faleceu em Belém, no dia 24 de março de 2002, com 89 anos, e foi sepultado em Santarém.

Obras
A obra musical de Wilson Fonseca, vai do popular ao erudito, e está reunida em 20 volumes (4 apenas publicados), com mais de 1.600 produções catalogadas, grande parte ainda inédita. Esse acervo inclui peças para canto e diversas combinações de instrumentos, para banda, composições orquestrais e líricas, além de arranjos e transcrições.

Residência do lendário maestro Isoca. Na esquina da Floriano Peixoto com Francisco Corrêa.

Principais Obras:
Hino de Santarém”- “Canção de Minha Saudade.
“Um Poema de Amor”.
“Terra Querida”.
“Lenda do Boto”.
Abertura Sinfônica Centenário de Santarém" 1948).
América 500 Anos” poema sinfônico (1992).
“Cantata Nazarena” (deceto, 1993).
“Amazônia” - suíte em 3 movimentos, para jazz-band de 1996.
“Vitória-Régia, O Amor Cabano - ópera.
Tapajós Azul” - valsa para orquestra sinfônica de 1997.
“As Pastorinhas - peça de teatro popular.
Há, ainda, 2 noturnos, 1 sonatina, dança coreográfica do Tipiti, inúmeras peças para coral a 2, 3 e 4 vozes, diversos números para piano solo, piano a 4 mãos, canto e piano, e várias peças de câmara, dobrados para banda , além de músicas sacras, inclusive Missas.

Os Confederados
No dia 17/9/2007, há exatos 140 anos, chegavam a Santarém os confederados – sulistas que abandonaram os EUA, logo após a Guerra Civil, em busca da terra prometida, no maior êxodo político da história norte-americana. Para marcar aquele 17 de setembro de 1867, foi realzada sessão solene na Câmara Municipal de Santarém e novo “batismo” do primeiro trapiche da Pérola do Tapajós, agora (?) denominado "Terminal Fluvial Turístico Reverendo Richard Thomas Hennington", construído por ele no século XIX (1883-1884).

A Orquestra Jovem "Maestro Wilson Fonseca", sob a regência do maestro Agostinho Neto, o "Tinho", executou o Dobrado nº 22, de autoria de Wilson Fonseca, intitulado "Os Confederados".

Livro
Meu Baú Mocorongo (6 volumes) - livro de pesquisas, recordações e reflexões sobre a vida histórica e sócio-cultural de Santarém e da Amazônia.
Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Wilson_Fonseca

Nenhum comentário:

Bandeira da ASDECON

Bandeira da ASDECON
ASSOCIAÇÃO DOS DESCENDENTES DE CONFEDERADOS AMERICANOS NA AMAZÔNIA

Brasão da família Vaughan

Brasão da família Vaughan

ClickComments

Arquivo do blog

ESCLARECIMENTO / EXPLICATION

Esclarecemos que em função de erros cometidos por ocasião das escriturações nos cartórios de Santarém, durante os registros de nascimentos, diversas famílias de origem confederada (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc...) tiveram seus nomes escriturados de forma errada.
A família VAUGHAN, por exemplo, assumiu algumas formas diferentes de escrituração: Vaughon, Waughan e Wanghon.
Recentemente alguns descendentes da família VAUGHAN e de outras famílias, com o auxílio de advogados e seguindo as árvores genealógicas, efetuaram as correções devidas nos cartórios locais e passaram a escrever corretamente os seus nomes.
Devido a pronúncia do nome VAUGHAN ser diferente da forma que é escrita, alguns descendentes passaram a adotar a denominação de “Von”, mas tão somente para facilitar o entendimento da leitura, sem alterar a forma de registro.

We clarified that in terms of errors committed during the notary records in Santarém, in the records of births, several families of confederates (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc ...) had their names entered in wrong. The family VAUGHAN, for example, took a few different ways to book: Vaughon, Waughan and Wanghon. Recentemente VAUGHAN some descendants of the family and other families with the help of lawyers and following the tree, made the necessary corrections in notary places and began to write their names correctly. Due to the pronunciation of the name VAUGHAN be different from the way it is written, some descendants moved to adopt the name of "Von", but only to facilitate the understanding of reading, without changing the way of record.