Quem sou eu

Pesquisar este blog

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Poesia de Quinta

por Deila Maia


Pessoal,
A Poesia de Quinta de hoje é incendiária, polêmica, do jeito que eu gosto.
Traz uma poesia de MAHMOUD DARWISH, considerado por muitos o maior poeta da Palestina.
Ele nasceu em 1942 e morreu há pouco tempo, em 09/08/2008. Nascido próximo à Galiléia, ele teve seu vilarejo arrasado pelas forças israelenses, na guerra de 1948 e teve que se refugiar por um ano no Líbano. Quando seus familiares voltaram para suas terras, tudo estava transformado em uma colônia agrícola israelense.
A poesia dele reflete bem a dor, o exílio, o orgulho árabe. Bem interessante.
Para quem quiser ler mais a respeito, estou enviando um anexo, com um pouco da história de vida deste poeta, que conseguiu refletir muito bem suas experiências por meio dos seus poemas. Gosto de poesias assim: verdadeiras, reais, vivas... Um retrato poético da vida!!!
A Poesia de Quinta de hoje vai especialmente dedicada ao Eduardo, este eterno defensor da causa palestina (e dos sem-teto, sem-terra, sem sem...) rsrsrsrsrs, que me introduziu nesta exótica e bela poesia.
Beijos de paz!!!!!
Deíla

“Os alemães mataram seis milhões de judeus, e apenas seis anos depois os judeus fizeram a paz com a Alemanha. Conosco, os judeus não querem a paz.”
(Rachid Hussein, poeta palestino)



“Vão! E levem daqui a morte de vocês!’
Mahmoud Darwish (1941-2008) - Poeta palestino, testemunhou a destruição de sua aldeia,
Al Birweh, durante a implantação do Estado de Israel em 1948.

Confissão de um terrorista!
Mahmoud Darwich


Ocuparam minha pátria
Expulsaram meu povo
Anularam minha identidade
E me chamaram de terrorista

Confiscaram minha propriedade
Arrancaram meu pomar
Demoliram minha casa
E me chamaram de terrorista

Legislaram leis fascistas
Praticaram odiada apartheid
Destruíram, dividiram, humilharam
E me chamaram de terrorista

Assassinaram minhas alegrias,
Seqüestraram minhas esperanças,
Algemaram meus sonhos,
Quando recusei todas as barbáries

Eles... mataram um terrorista!


PS: A leitura excessiva destes textos pode ocasionar dependência cultura

Nenhum comentário:

Bandeira da ASDECON

Bandeira da ASDECON
ASSOCIAÇÃO DOS DESCENDENTES DE CONFEDERADOS AMERICANOS NA AMAZÔNIA

Brasão da família Vaughan

Brasão da família Vaughan

ClickComments

Arquivo do blog

ESCLARECIMENTO / EXPLICATION

Esclarecemos que em função de erros cometidos por ocasião das escriturações nos cartórios de Santarém, durante os registros de nascimentos, diversas famílias de origem confederada (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc...) tiveram seus nomes escriturados de forma errada.
A família VAUGHAN, por exemplo, assumiu algumas formas diferentes de escrituração: Vaughon, Waughan e Wanghon.
Recentemente alguns descendentes da família VAUGHAN e de outras famílias, com o auxílio de advogados e seguindo as árvores genealógicas, efetuaram as correções devidas nos cartórios locais e passaram a escrever corretamente os seus nomes.
Devido a pronúncia do nome VAUGHAN ser diferente da forma que é escrita, alguns descendentes passaram a adotar a denominação de “Von”, mas tão somente para facilitar o entendimento da leitura, sem alterar a forma de registro.

We clarified that in terms of errors committed during the notary records in Santarém, in the records of births, several families of confederates (Wallace, Hennington, Rhome, Pitts, Riker, Vaughan, Jennings, etc ...) had their names entered in wrong. The family VAUGHAN, for example, took a few different ways to book: Vaughon, Waughan and Wanghon. Recentemente VAUGHAN some descendants of the family and other families with the help of lawyers and following the tree, made the necessary corrections in notary places and began to write their names correctly. Due to the pronunciation of the name VAUGHAN be different from the way it is written, some descendants moved to adopt the name of "Von", but only to facilitate the understanding of reading, without changing the way of record.